Mulheres se reúnem na Expo Modeladas

A sexta edição da Expo Modeladas 2016, aberta na manhã desta quinta-feira (24), no Centro de Convenções, foi um momento para ainda, no mês de março, discutir o papel da mulher eram várias instâncias. Para a conferência foram levados diversos temas, como saúde, bem-estar, medicina, ortomolecular e cirurgia plástica, entre outros. Esses temas serão debatidos, ao longo de três dias (hoje, amanhã e sábado) por meio de workshops, palestras, coaches e treinamento diversos, levando mais informação ao público participante.

A abertura contou com a presença da deputada Celina Leão, presidente da Câmara Legislativa do DF, do Bispo JB Carvalho, idealizador do evento, da vice-presidente da Comunidade das Nações; o administrador do Plano Piloto, Marcos Pascoo do presidente da OAB-DF, Juliano Costa Couto; e da sub-secretária de Políticas para as Mulheres do DF, e presidente do Conselho de Direitos da Mulher, Lúcia Bessa.

Celina Leão discursou sobre o papel da mulher na política. Ela ressaltou que ela é, hoje, a única mulher presidente de Assembleia Legislativa no Brasil, o que já demonstra o baixo número de mulheres que concorrem a cargos públicos   “Tivemos muitos cenários em que devemos refletir muito sobre a sua posição e a sua responsabilidade enquanto ocupante de um cargo político. Os humanistas dizem que as mulheres tiveram a sua consagração com a Declaração Universal dos Direitos Humanos”, relatou Celina.

E foi mais longe, ao apresentar outro cenário: “Mas foi com o carinho, amor e respeito que Jesus se referia às mulheres. Aí, fico pensando que Jesus, sem internet e whatsApp que ele conseguiu levar aquela palavra às nações. É muito claro, para mim, quanto a questão da igualdade há uma grande diferença sobre o femismo e o feminismo.  O femismo é a mulher querer ser melhor que o homem.  Nós não precisamos ser melhores, estar além dos homens. Precisamos estar ao lado dos homens. Jesus chocou a humanidade quando disse que todos eram iguais”, relembrou a parlamentar.

“Conheci um projeto da ONU chamado de Eles por elas, que são os homens trabalhando pelas mulheres, com olhar por elas. Mas penso que deve ser elas por elas. Porque a mulher precisa olhar a mulher com amor. Eu sou mulher e as maiores discriminações que passei foi pelas próprias mulheres. Elas ainda não entenderam que o olhar que elas devem ter pelas outras é o mesmo que Jesus teve por nós: olhar de amor, de compaixão e de não julgar e de não divisão”, exemplificou a parlamentar convidando a uma reflexão para ter o mesmo olhar de amor que Jesus teve pelas mulheres.

Celina ainda falou dos índices de violência contra a mulher. “O Brasil é o oitavo país do mundo em mortes de mulheres. Os dados estatísticos mostram que as mulheres são vítimas de seus companheiros. “Estou falando isso, para nós, porque somos nós quem educamos nossos filhos homens”.

Na política Celina destacou que as mulheres representam apenas 10% do parlamento. Menos de 5% do Poder Executivo.  “Precisamos avançar muito, porque há poucas mulheres na política. Precisamos vencer a violência e o preconceito, por isso precisamos de mais mulheres na política”, enfatizou.

Os homens que formaram a mesa, tiveram espaço para falar do papel da mulher em suas vidas, e todos evidenciaram a presença de suas mães, das esposas e de suas filhas, demonstrando o quanto elas são importantes em suas vidas.

O evento conta com 50 stands para a venda de produtos de moda, home, festas, serviços femininos, maquiagens e perfumaria.

ASCOM da Deputada Celina Leão

© 2019 - 2020 Celina Leão - Deputada Federal. 

  • Instagram - White Circle
  • Twitter - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco
  • Facebook Clean