top of page

Merendeira de Taguatinga vence Sabor de Escola 2023


MasterChef das escolas públicas do Distrito Federal (DF), o Sabor de Escola 2023 elegeu, nesta sexta-feira (1º), a merendeira mais criativa da rede de ensino. Cerca de 460 mil alunos serão os grandes vencedores, com as iguarias preparadas pelas oito finalistas inseridas no cardápio escolar. A competição contou com 305 merendeiras inscritas e a vencedora foi Rosana Leite Pacheco, do Centro de Ensino Fundamental (CEF) 19 de Taguatinga. Ela levou para casa um prêmio de R$ 9 mil e mais motivação para continuar criando e aprimorando novas receitas. O prato campeão foi escondidinho de carne suína.


As merendeiras geram uma memória afetiva nas crianças e adolescentes. Foto: George Gianni/VGDF


“As merendeiras geram uma memória afetiva nas crianças e adolescentes. Estudei em escola pública e recebi todo esse carinho delas. Até hoje eu me lembro do macarrão que era feito pela dona Tereza. Então, esse é o momento de mostrarmos o trabalho delas e de reforçar o comprometimento do GDF com a qualidade da comida preparada nas escolas”, afirmou a vice-governadora Celina Leão durante o evento.

Foram mais de dois meses e diversas etapas que classificaram oito finalistas das regiões de Taguatinga, Recanto das Emas, Brazlândia, Samambaia, Candangolândia, Núcleo Bandeirante, Sobradinho e Planaltina. As participantes foram incentivadas a criar pratos saudáveis e balanceados, levando em conta critérios como valor nutricional, apresentação, sabor e originalidade. As receitas, obrigatoriamente, contaram com os ingredientes e produtos exclusivamente presentes no Programa de Alimentação Escolar do DF (PAE-DF).

“Esse é um concurso para destacar as mulheres merendeiras. O Sabor de Escola surgiu com dois objetivos. O primeiro é o de valorizar o trabalho dessas mulheres em prol dos nossos estudantes, e o segundo é o de nos auxiliar quais ingredientes podem ser inseridos no cardápio ao longo dos dias”, pontuou a secretária de Educação, Hélvia Paranaguá.

Com o prato Escondidinho a Cara do Cerrado, feito com carne suína e mandioca-amarela — tubérculo típico do Cerrado —, a merendeira Rosana Leite Pacheco garantiu o primeiro lugar na competição. “Fiz esse prato com carne suína desfiada para ver se as crianças comem mais carne de porco, porque tem pouca aceitação pelos jovens. Com o escondidinho, eu espero que eles comam mais”, revelou. Questionada sobre os planos com a premiação, ela garantiu que não vai gastar: “Vou guardar por enquanto e pensar direito para não comprar besteira”.

A segunda colocada, Ivanilda Geralda De Jesus, do Centro de Ensino Médio Júlia Kubitschek, na Candangolândia, criou o prato Feijoada Escolar e garantiu o prêmio no valor de R$ 5,3 mil. A terceira colocada, Sebastiana Félix de Oliveira, fez um peixe ao molho branco com creme de maracujá e também recebeu um cheque no valor de R$ 4,2 mil. Todas as demais finalistas levaram para casa a premiação de R$ 2,7 mil.

Cada vez melhor

Graças aos dotes culinários das merendeiras da rede pública de ensino, a alimentação ofertada aos alunos é de qualidade. O Governo do Distrito Federal tem trabalhado para melhorar ainda mais a experiência gastronômica nas escolas. Nesta gestão, o GDF investiu R$ 23,3 milhões para comprar insumos produzidos pela agricultura local e incrementar as 578 mil refeições ofertadas aos estudantes da rede de ensino do DF.

Em 2022, o governo passou a incluir muçarela e manteiga no cardápio das escolas. São 84 produtores rurais familiares do DF e Entorno que fornecem os alimentos à Secretaria de Educação. Ao todo, as escolas recebem 30 mil kg de queijo e 3.500 kg de manteiga por mês para as preparações dos alimentos.

E ainda há outra novidade para 2024: a inclusão de gêneros alimentícios orgânicos produzidos pela agricultura familiar. Por enquanto, os produtos passam por um projeto-piloto em 53 escolas públicas no Guará (28) e em São Sebastião (25). Se houver aceitação, os alimentos serão definitivamente implementados no cardápio no ano que vem. Nesta ação, são investidos aproximadamente R$ 3 milhões.

Por Agência Brasília.

0 comentário

Comments


bottom of page